Concurso TCU 2015: Ampliação das vagas e edital do concurso próximos da conclusão

Elo logo mini

O concurso TCU 2015 oferecerá vagas salário inicial de R$ 10 mil para nível médio.


O Tribunal de Contas da União (TCU) informou, nesta última terça feira (3), via Assessoria de Comunicação que o edital está em fase final de elaboração e que as adequações estão sendo feitas em razão do tempo transcorrido e das mudanças na disponibilidade de cargos vagos desde a aprovação do concurso, em julho do ano passado”.  Logo, a oferta inicial de 31 vagas, sendo 12 de auditor e 19 de técnico, poderá ser maior devido às novas vacâncias.

Aqueles que conseguirem a vaga de técnico receberá um salário de R$ 10.470,01, e de auditor, R$ 17.513,86, e será incluído auxílio-alimentação de R$ 784,74.

O concurso oferecerá vagas para São Paulo, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pernambuco e o Distrito Federal, onde é esperado candidatos de Brasil inteiro, em estão em busca de estabilidade e ótima remuneração nos cargos e auditores e técnicos. É bom lembrar que o TCU (Tribunal de Contas da União) não informou se outros cargos serão incluídos na seleção nem o quantitativo ampliado de vagas. O Cespe/UnB foi que organizou as duas seleções anteriores que ocorreram em 2012 e 2013, cujo editais podem servir de base para os estudos para os futuros candidatos no concurso do TCU.

Conheça o TCU
 

O Tribunal de Contas da União, que utiliza a sigla TCU, é um tribunal administrativo que julga as contas de administradores públicos e outros responsáveis por dinheiros, bens e valores públicos federais, assim como as contas de qualquer pessoa que der causa a perda, extravio ou outra irregularidade de que resulte prejuízo ao erário. O TCU também conhecido como Corte de Contas e compõe-se de nove ministros, sendo que seis deles são indicados pelo Congresso Nacional, um pelo presidente da República e dois escolhidos entre auditores e membros do Ministério Público.

O Tribunal de Contas da União tem como funções básicas ser: fiscalizadora, judicante, consultiva informativa, corretiva, sancionadora, ouvidoria e normativa.

Como função de fiscalizador, o TCU utiliza instrumentos por meio dos quais se realiza a fiscalização:

a) levantamento: instrumento utilizado para conhecer a organização e funcionamento de órgão ou entidade pública, de sistema, programa, projeto ou atividade governamental, identificar objetos e instrumentos de fiscalização e avaliar a viabilidade da sua realização;

b) auditoria: por meio desse instrumento verifica-se in loco a legalidade e a legitimidade dos atos de gestão, quanto aos aspectos contábil, financeiro, orçamentário e patrimonial, assim como o desempenho operacional e os resultados alcançados de órgãos, entidades, programas e projetos governamentais;

c) inspeção: serve para a obtenção de informações não disponíveis no Tribunal, ou para esclarecer dúvidas; também é utilizada para apurar fatos trazidos ao conhecimento do Tribunal por meio de denúncias ou representações;

d) acompanhamento: destina-se a monitorar e a avaliar a gestão de órgão, entidade ou programa governamental por período de tempo predeterminado;

e) monitoramento: é utilizado para aferir o cumprimento das deliberações do Tribunal e dos resultados delas advindos.

Como função consultiva, é exercida mediante a elaboração de pareceres prévios e individualizados, de caráter essencialmente técnico, acerca das contas prestadas, anualmente, pelos chefes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e pelo chefe do Ministério Público da União, a fim de subsidiar o julgamento a cargo do Congresso Nacional. Inclui também o exame, sempre em tese, de consultas realizadas por autoridades legitimadas para formulá-las, a respeito de dúvidas na aplicação de dispositivos legais e regulamentares concernentes às matérias de competência do Tribunal.

Já a função informativa do TCU é exercida quando da prestação de informações solicitadas pelo Congresso Nacional, pelas suas Casas ou por qualquer das respectivas Comissões, a respeito da fiscalização exercida pelo Tribunal ou acerca dos resultados de inspeções e auditorias realizadas pelo TCU. Compreende ainda representação ao poder competente a respeito de irregularidades ou abusos apurados, assim como o encaminhamento ao Congresso Nacional, trimestral e anualmente, de relatório das atividades do Tribunal.

Os responsáveis por dinheiros, bens e valores públicos federais têm de submeter suas contas a julgamento pelo TCU anualmente, sob a forma de tomada ou prestação de contas.

Assim, a função judicante ocorre quando o TCU julga as contas dos administradores públicos e demais responsáveis por dinheiros, bens e valores públicos da administração direta e indireta, incluindo as fundações e as sociedades instituídas e mantidas pelo Poder Público Federal, bem como as contas daqueles que derem causa a perda, extravio ou outra irregularidade de que resulte prejuízo ao erário.

O TCU dispõe de uma Secretaria que tem a finalidade de prestar o apoio técnico necessário para o exercício de suas competências legais e constitucionais. Essa Secretaria é composta de várias unidades, entre as quais, a Secretaria-Geral das Sessões, a Secretaria-Geral de Administração e a Secretaria-Geral de Controle Externo. A gerência da área técnico-executiva do controle externo está entregue à Secretaria-Geral de Controle Externo (Segecex), à qual estão subordinadas as unidades técnico-executivas sediadas em Brasília e nos 26 Estados da federação. A estas últimas cabe, entre outras atividades, fiscalizar a aplicação de recursos federais repassados para estados e municípios, geralmente mediante convênio ou outro instrumento congênere.
 
 

Porque trabalhar no TCU?
 

No ano passado, o Tribunal de Contas da União foi premiado, pela segunda vez na edição do Guia Melhores Empresas para Você Trabalhar. Sendo considerada a melhor instituição pública para se trabalhar.

Foram avaliadas as melhores instituições no setor público, e na medição do desempenho, foi considerado o Índice de Felicidade no Trabalho, que foi composto pelo índice de qualidade da gestão de pessoas (30%) e o índice de qualidade do ambiente de trabalho (70%). O índice que afere a Qualidade do Ambiente de Trabalho é formado por dados relativos à visão do servidor sobre a instituição. Já o que mede a Qualidade da Gestão de Pessoas é composto por dados relativos ao que a instituição oferece aos seus servidores.

O presidente do TCU, ministro Augusto Nardes, compareceu ao evento para receber a premiação e também parabenizou todos os servidores pela conquista tão importante para a instituição. Assim como destacou a participação, como sendo fundamental para o alcance dos resultados e para a construção de um clima positivo na organização.

Formas de Pagamento

85% de aprovação em concursos
SSL