Empresas públicas são excluídas de projeto sobre terceirização

Empresas públicas são excluídas de projeto sobre terceirização

Empresas públicas são excluídas de projeto sobre terceirização

Elo logo mini

Aprovação da Câmara dos Deputados exclui as empresas públicas e sociedades de economia mista das regras previstas no projeto que regulamenta os contratos de terceirização.


Vídeo do INSS
 

Nesta terça-feira (14) foi aprovado na Câmara do s Deputados excluir as empresas públicas e sociedades de economia mista das regras pertinentes no projeto que regulamenta os contratos de terceirização. A aprovação se deu com 360 votos favoráveis a 47 contrários, além de 4 abstenções. A aprovação se deu com destaque do PSDB, também apoiado pelo PT. O destaque desta aprovação em plenário é válido para empresas públicas  e também sociedades de economia mista, como mencionamos antes, contratas por Estados, União, Municípios e Distrito Federal.

Segundo o deputado Domingos Sávio do PSDB-MS, a exclusão das empresas públicas busca valorizar o concurso público como forma de ingresso na carreira pública: “Queremos que o concurso público seja a porta de entrada não só na prefeitura, mas também no Banco do Brasil. Se acabarmos com o concurso como porta de entrada, abriremos caminho para o apadrinhamento”.

Já o líder do PSDB na Casa, o deputado Carlos Sampaio, desta aprovação do destaque não proíbe que o setor público realize terceirização, mas impede que empresas controladas pelo governo façam a terceirização em todas as suas atividades, como prevê o projeto.

Outro que defendeu a manutenção do texto original foi o PMDB. O vice-líder do partido, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) diz que a retirada das públicas das regras que flexibilizam a terceirização vai prejudicar a competitividade e “otimização” de recursos: “É um retrocesso. Significa engessar a máquina pública indireta. A direta, sim, tem que ter concurso, mas na indireta não. Vamos engessar num momento em que temos que racionalizar e otimizar recursos”, afirmou.

O deputado Arthur de Oliveira Maia (SD-BA), relator do projeto, ficou irritado com o apoio do PT ao destaque. Segundo ele, foi o próprio governo que pediu a inclusão das empresas públicas e sociedades de economia mista nas regras que permitem terceirizar qualquer atividade: “Já que o PT prefere fazer o discurso contra o governo, não sou eu, que sou deputado de oposição, que vou apoiar o pedido que tinha sido feito pelo governo”, relatou, defendendo a aprovação do destaque.

A proposta que regulamenta a terceirização permite que empresas contratem trabalhadores terceirizados para exercer qualquer função, apesar de ser criticada pelo PT e por parte das centrais sindicais, mas defendida por empresários e outros sindicatos. Atualmente, esse tipo de contratação é permitida apenas para a chamada atividade-meio, e não atividade-fim da empresa, como, por exemplo, equipes de segurança e limpeza.

O texto sob análise da Câmara põe fim a essa limitação, permitindo que qualquer funcionário passe a ser terceirizado, mesmo quando ele exerce a atividade principal da companhia.
 

Formas de Pagamento

85% de aprovação em concursos
SSL